Pequenos satélites: uma nova oportunidade para a Terran Orbital

A construtora de satélites Terran Orbital Corporation está compilando uma trajetória de crescimento análoga a alguns de seus lançamentos. A empresa anunciou contratos e prêmios totalizando mais de US$ 170 milhões desde setembro de 2021, incluindo vários acordos com clientes governamentais e comerciais. Ela está planejando construir um dos maiores complexos de fabricação de satélites do mundo na Flórida e está expandindo significativamente suas instalações comerciais existentes na Califórnia.

A empresa também anunciou recentemente planos de abrir o capital com a Tailwind Two Acquisition Corp., uma empresa de aquisição de propósito específico (SPAC) formada com a finalidade de efetuar uma fusão, troca de ações de capital ou outra combinação de negócios. A Tailwind Two investiu extensivamente em negócios administrados por fundadores semelhantes à Terran Orbital, com notável sucesso na indústria espacial.

Conexões da Constelação

Em uma das vitórias recentes mais notáveis, a PredaSAR Corporation, subsidiária da Terran Orbital, recebeu um contrato de US$ 2 milhões para apoiar uma demonstração cooperativa em órbita entre sua constelação de satélites PredaSAR e a constelação Blackjack, do governo dos EUA. O contrato, concedido pelo US Space Systems Command (SSC) em parceria com o Air Force Research Laboratory (AFRL), visa demonstrar que as duas constelações podem ser conectadas, fortalecendo as capacidades do Departamento de Defesa dos EUA e, ao mesmo tempo, alavancando a inteligência comercial, capacidades de dados de vigilância e reconhecimento (ISR) de parceiros da indústria.

A cooperativa PredaSAR-Blackjack visa “demonstrar que as constelações de satélites como redes podem ser conectadas”, disse Marco Villa, diretor de receita e vice-presidente executivo da Terran Orbital. A conexão de constelações lançadas em diferentes órbitas desafiará a equipe a “pegar hardware, software e veículos e encontrar condições ideais onde eles possam se cruzar”, observou ele.

satelites
A comunicação entre as constelações pode trazer grandes benefícios para o fornecimento de dados.

O presidente e CEO da Terran Orbital, Marc Bell, disse que o projeto mostra como a comunicação direta entre satélites “é muito mais rápida do que enviar sinais para o solo. É muito eficiente em termos energéticos. A tecnologia óptica não é nova, mas o custo caiu.”

Do ponto de vista do SSC, a demonstração de interoperabilidade desempenha um papel fundamental na redução do risco de construção de arquiteturas espaciais híbridas e na maximização da utilidade dos serviços comerciais, de acordo com o tenente-coronel Tim Trimailo, gerente do programa pLEO do SSC.

O SSC tem dois objetivos principais no contrato PredaSAR, disse Trimailo: 1) demonstrar a capacidade de transferir dados de satélites comerciais para uma rede governamental e para usuários táticos o mais rápido possível; e 2) incentivar os provedores de serviços comerciais de satélite a incorporar links cruzados compatíveis com o governo em suas constelações.

Outro benefício importante do projeto é a oportunidade “de trabalhar com múltiplas modalidades de dados”, disse Wellesley Pereira, da diretoria de veículos espaciais da AFRL na Base Aérea de Kirtland, Albuquerque, N. Mex. Ao vincular as constelações, dados em várias formas, como visível, infravermelho e radar, podem ser “fundidos” para criar dados mais valiosos, observou ele. Além de fornecer dados adicionais, a equipe visa estabelecer uma transferência de dados mais rápida entre constelações ou entre constelações.

Conexões da Constelação

Além do contrato PredaSAR, a Terran Orbital conseguiu vários outros projetos importantes. Em fevereiro, a empresa recebeu um contrato da Lockheed Martin Aeronautics para fornecer três microssatélites, aquisição de lançamento, integração e operações de apoio à demonstração do produto.

Em outra vitória significativa, Tyvak recebeu o Precise Space Flight Experiment da AFRL para desenvolver uma espaçonave para novas missões de órbita terrestre muito baixa (VLEO). O experimento Precise examinará os processos de ionização na ionosfera, a região de gás ionizado entre 90 e 600 km de altitude que afeta a propagação de rádio. O contrato foi concedido por meio do Space Enterprise Consortium (SpEC) da SSC, que conecta o DoD com inovadores e criadores de tecnologia. Um lançamento em 2024 está planejado.

satelites
Pode ser que muito em breve os nano-satélites ocupem o lugar dos tradicionais

Em dezembro, a Terran Orbital anunciou o posicionamento bem-sucedido do pequeno satélite EchoStar Global 3 em sua órbita operacional final. A Tyvak projetou, fabricou e opera o satélite em nome da EchoStar Corporation, um fornecedor global de soluções de comunicação via satélite. A trajetória de posicionamento incluiu a mudança de altitude mais distante e rápida já alcançada por um nano-satélite, de acordo com Terran Orbital. Também incluiu uma mudança de inclinação de 1,5° para colocar o satélite na altitude e inclinação exatas necessárias para sua missão.

“Os nano-satélites não eram anteriormente capazes de manobrar assim uma vez colocados em órbita”, disse Bell. “A capacidade de realizar mudanças significativas de altitude e inclinação permite uma entrega de ‘última milha’ mais barata e mais rápida de um satélite para as órbitas desejadas.”

Esses projetos e outros levaram a Terran Orbital a realizar expansões significativas de instalações. Em setembro de 2021, a Terran Orbital anunciou planos de investir US$ 300 milhões e construir o que a empresa acredita ser um dos maiores complexos de fabricação de satélites do mundo em Brevard County, Flórida. satélites e mais de 1 milhão de componentes de satélite por ano, criando aproximadamente 2.100 novos empregos na Costa Espacial da Flórida. A empresa também está adicionando 60.000 pés quadrados de espaço para montagem e produção em suas instalações em Irvine, Califórnia.

Crescimento do mercado de satélites

O crescimento da Terran Orbital coincide com um mercado de pequenos satélites em rápida expansão – geralmente abrangendo satélites com menos de 1.200 kg (2.600 lb). Dentro desse mercado, os nano-satélites (aqueles que variam de 1,1 a 10 kg) e microssatélites (aqueles de 11 a 200 kg) aparecem particularmente posicionados para um crescimento rápido. De acordo com um relatório da Allied Market Research, a indústria global de nano-satélites e microssatélites foi avaliada em US$ 2,23 bilhões em 2020 e deve chegar a US$ 8,69 bilhões até 2030.

satelites
A tendência é que o mercado continue se expandindo, principalmente com a demanda do setor de telecomunicações.

De acordo com o relatório, um aumento na produção e o lançamento de CubeSats – satélites em forma de cubo medindo aproximadamente 10 cm em cada direção – contribuíram para o boom. A subsidiária Terran Orbital Tyvak foi fundada por Jordi Puig-Suari, que foi o coinventor do CubeSat.

Com base no número de usuários finais, o segmento comercial contribuiu com mais de três quartos da receita global do mercado de nano e microssatélites em 2020 e deve manter a maior parte da receita de 2021 a 2030, de acordo com o relatório. Com base na aplicação, o segmento de observação da Terra foi responsável por mais da metade da participação de mercado global de nano-satélites e microssatélites em 2020 e espera-se que mantenha uma participação semelhante. O relatório descobriu que o segmento de comunicações deverá crescer significativamente até 2030 devido a um aumento na demanda por comunicações mais rápidas e seguras em todo o mundo.

Enquanto isso, a NASA recentemente expressou preocupação com o número de satélites em órbita. Em uma carta de fevereiro à Comissão Federal de Comunicações (FCC), a NASA observou que aproximadamente 25.000 objetos totais são rastreados atualmente em órbita e que mais 30.000 satélites estão sendo propostos para LEO pela SpaceX em um pedido FCC alterado para o sistema Starlink Gen 2 da SpaceX. A NASA recomendou que “o SpaceX gere análises demonstrando que a capacidade de manobra automática é suficientemente escalável para todo o tamanho da constelação proposta.

Junto com os planos da SpaceX, um bando de outras empresas e agências ao redor do mundo têm planos de lançar satélites nos próximos anos. Algumas fontes estimam que mais de 50.000 satélites serão lançados ao espaço na próxima década. As atividades da Terran Orbital e outros pequenos fornecedores de satélites farão deste um mercado interessante de se observar. Para saber mais sobre esse promissor mercado leia a matéria completa no site.

Para continuar por dentro das principais novidades do mundo da indústria acesse o nosso site.
categoria(s):

Marcus Figueiredo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?