O ESG veio para ficar! Sua empresa já aderiu às novas práticas?

O termo ESG (Environmental, Social and Governance) ou ASG (Ambiental, Social e Governança, em português), está cada vez mais presente em nossas vidas. Se você ainda não ouviu falar, em breve vai ouvir e saber a importância dessas letrinhas.

As empresas têm prestado mais atenção a este tema e procurado adaptar suas ações de forma a ficarem cada vez mais adequadas as questões de sustentabilidade. Para se ter uma ideia, boa parte dos investidores e fundos de investimentos têm procurado aportar seus recursos em empresas que tenham essa política em sua cultura.

esg
Cada vez mais o ESG vai deixando de ser diferencial e começa a se tornar obrigatório para as grandes empresas.

Um relatório divulgado pela consultoria PwC mostra que na Europa, até 2025, 57% dos ativos de fundos mútuos estão em investimentos que consideram os critérios de ESG – o que representa no total US$ 8,9 trilhões. Outro ponto importante é que 77% dos investidores institucionais informaram que planejam parar de comprar produtos não ESG nos próximos dois anos.

O processo manual, burocrático e muitas vezes desconectado do planejamento de projetos de capital é uma dor comum às empresas no processo de Capex (investimentos em bens de capital). Agora, com as iniciativas do ESG, há uma nova camada de aprovações que precisa ser considerada. Ou seja, projetos com potencial impacto ambiental ou compromissos de ESG devem ser sinalizados e encaminhados para revisão, avaliação e aprovação do comitê interno decisor de cada organização.

Um verdadeiro sistema de fluxo de trabalho de aprovação precisa ser dinâmico e permitir diferentes rotas para que seja possível abrigar um modelo de governança corporativa que flexibilize a racionalização de projetos, custos, documentos de suporte e informações financeiras.

No caso de projetos de ESG, você pode exigir estimativas específicas de impacto ambiental e custos econômicos. Todos esses dados, em um formato consistente, significam que a liderança pode comparar e avaliar projetos em igualdade de condições e garantir que o dinheiro seja alocado para os projetos certos de acordo com o momento da empresa.

Antes da avaliação dos investimentos na prática, as empresas necessitam compreender o que é mais relevante dentro das métricas ESG. Nesse sentido, as companhias têm criado “matrizes de materialidade de definição de metas” que auxiliam na hora de priorizar projetos.

São elas: 1)Avaliação e gestão ambiental e social; 2)Trabalho e condições de trabalho; 3) Qualidade da água e sedimentos; 4) Impactos na comunidade e segurança da infraestrutura; 5) Reassentamento; 6) Biodiversidade e espécies invasoras; 7) Povos indígenas; 8) Palco cultural; 9) Governança e aquisições; 10) Comunicações e consultas; 11) Recurso hidrológico; e 12) Mitigação e resiliência às mudanças climáticas.

esg
Métricas de ESG.

Trata-se de um processo novo em que ainda estão sendo debatidos critérios para definir os compromissos que uma companhia necessita ter para adotar as práticas ESG. No entanto, a eficácia das mensurações já tem apresentado resultados assertivos em grandes corporações, especialmente na tomada de decisões.

A verdade é que, nos tempos atuais, as empresas de diferentes setores da economia precisam ser sustentáveis, e mais: são cobradas pela sociedade e até por investidores a apresentar cifras e números que comprovam o impacto de suas iniciativas. É por essa razão que o ESG veio para ficar! É preciso medir, de fato, o quanto uma companhia está realmente envolvida em prol do meio ambiente.

Para contribuir com essa transparência, recentemente foi criado no Brasil o Comitê Brasileiro de Pronunciamentos de Sustentabilidade (CBPS), cujo objetivo será normatizar, através de pronunciamentos técnicos, à divulgação das práticas de sustentabilidade empresarial.

O CBPS vai interagir com o International Sustainability Standards Board (ISSB), criado pela Fundação IFRS na COP26 com o objetivo de emitir normas técnicas a serem aplicadas ao redor do mundo. O CBPS, por sua vez, será o normatizador brasileiro – responsável justamente por incorporar as normas globais no ordenamento pátrio.

*Artigo de Henrique Ludgero Casagrande, Account Manager da Prosperi, uma das companhias parceiras da Microsoft mais premiadas em toda a América Latina.

Para continuar por dentro das principais novidades do mundo da indústria acesse o nosso site.

categoria(s):

Marcus Figueiredo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top
× Como posso te ajudar?