Material de impressão 3D multifóton orgânico condutor desenvolvido

Pesquisadores criaram um material de resina orgânica capaz de conduzir eletricidade que pode ser usado com o processo multifóton.

A litografia multifotônica é o estado atual da arte para a impressão 3D de objetos extremamente pequenos. O processo envolve gerenciar o foco e a saída com tanta força que a energia no pequeno ponto focal é suficiente para desencadear a polimerização em uma resina. O tamanho do ponto focal é tão pequeno que estruturas de apenas alguns mícrons podem ser impressas movendo o ponto focal no espaço 3D.

material
Fonte:(https://www.fabbaloo.com)

O processo é usado para criar lentes minúsculas, dispositivos mecânicos microscópicos e muito mais.

Mas agora pode haver alguns novos casos de uso muito intrigantes como resultado de um novo material desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Houston.

O material foi criado misturando uma pequena proporção de um semicondutor orgânico (0,5% em peso) com uma resina fotopolimérica transparente. Os pesquisadores descobriram que a impressão desta resina resultou em condutividade elétrica em “10 ordens de grandeza”.

material
Fonte:(https://www.fabbaloo.com)

Os pesquisadores conseguiram obter uma impressão 3D bem-sucedida por meio de experiências consideráveis ​​com materiais e parâmetros de impressão, mas acabaram encontrando uma combinação que funcionou bem.

Isso é bastante significativo e permitiu que os pesquisadores imprimissem em 3D pequenos dispositivos elétricos, como uma matriz de microcapacitores. Eles explicam:

“Apresentamos uma resina dopada compatível com MPL homogênea e transparente com um OS para fabricar microestruturas compostas de OS 3D com condutividade elétrica aprimorada. Usando o processo MPL, fabricamos vários elementos e dispositivos microeletrônicos em substratos de vidro e PDMS, incluindo microresistores, microcapacitores e μPCBs. Demonstramos que a laminina pode ser incorporada a esses polímeros compósitos OS sem uma perda significativa de atividade, pois as estruturas resultantes foram capazes de suportar a adesão e o crescimento celular.”

A parte mais interessante dessa descoberta é que, como resultado do uso de aditivos orgânicos, os objetos condutores resultantes são biocompatíveis. Isso significa que, ao usar esse material e processo, é possível imprimir em 3D dispositivos que podem ser incorporados em tecidos vivos, como sensores, interruptores e outros componentes.

material
Fonte:(https://www.fabbaloo.com)
Mais uma vez, uma gama inteiramente nova de aplicações é subitamente habilitada por um desenvolvimento na tecnologia de impressão 3D. Os pesquisadores agora podem começar a criar dispositivos elétricos embutidos no corpo para fins que não podemos adivinhar. Para saber mais leia a matéria completa no site.
Para continuar por dentro das principais novidades do mundo dos materiais e da impressão 3D acesse o nosso site.
categoria(s):

Marcus Figueiredo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?