Resinas de Impressora 3D Autocuráveis

Apesar de ser uma técnica muito versátil e com grande aplicação não só na indústria como em outros setores a impressão 3D, também tem as usas limitações, uma delas é a impossibilidade de modificar a peça impressa. Para solucionar esse problema  pesquisadores desenvolveram uma maneira de autocorrigir materiais impressos em 3D, utilizando como base resinas, para saber mais sobre o processo leia a matéria a seguir.

Impressões 3D quebradas são um problema, especialmente com os plásticos termofixos usados ​​com impressões 3D de resina. O processo de impressão 3D envolve o uso de resina de fotopolímero que solidifica após a exposição à luz ultravioleta, e vários estilos de impressoras 3D aproveitam esse efeito para produzir modelos sólidos.

Muitas resinas de fotopolímero resultam em peças rígidas. Embora isso geralmente seja bastante desejável para algumas aplicações, devido a baixa capacidade de se deformar existe  a possibilidade de quebra da peça impressa.

Isso ocorre por causa de um problema muito comum com impressões 3D: depois de curadas, muitas vezes são continuamente expostas à luz ultravioleta quando estão sob a luz solar. Isso pode, com certas resinas, continuar o processo de cura e resultar em rachaduras.

A exposição excessiva à luz ultravioleta pode levar a formação de rachaduras que à medida que vão sendo expostas à luz em conjunto com as solicitações mecânicas pode resultar na ruptura da peça.

 

resinas
Impressão 3D Fonte: tecnicon.com.br

Por causa disso, pode ser vantajoso se o material puder de alguma forma “curar-se” caso apareçam rachaduras.

Isso é exatamente o que foi desenvolvido por pesquisadores da University of New South Wales, em Sydney.

Eles usaram algo chamado “RAFT”, que significa agentes de transferência de cadeia de fragmentação de adição reversível. Esta é uma combinação química que permite o controle sobre a polimerização e pode realmente polimerizar novamente um material quando acionada.

Os pesquisadores explicam como as resinas funcionam:

“Neste estudo, agentes de transferência de cadeia de fragmentação de adição reversível (RAFT) são incorporados em formulações de resina para permitir a impressão 3D mediada por luz visível (405 nm) de materiais com capacidade de autocura. O processo de autocura é baseado na reativação do agente RAFT embutido nos termofixos sob luz ultravioleta (365 nm), o que permite a reforma da rede polimérica. O processo de autocura pode ser realizado em temperatura ambiente sem desoxigenação prévia. ”

Observe que o processo de autocura requer exposição à luz ultravioleta. Mas isso também implica que uma peça produzida com este material quando usada ao ar livre pode se auto-reparar automaticamente, ou pelo menos as partes expostas ao sol.

Este é um desenvolvimento muito interessante, pois pode permitir uma nova classe de aplicativos de impressão 3D, onde peças usadas em locais inacessíveis podem ser capazes de se consertar.

Embora isso seja apenas uma pesquisa neste momento, é provável que isso possa eventualmente se tornar um produto. Não está claro qual pode ser o custo de uma resina habilitada para RAFT, mas suspeito que seria apenas um pouco mais cara do que as resinas padrão. Se for esse o caso, poderemos ver esse tipo de resina se tornar um padrão entre os fornecedores.

A possibilidade  da peça se autocurar é um fator muito interessante para diversas indústrias, especialmente para aquelas que trabalham com peças que não podem ser alteradas depois de prontas, como próteses e alguns componentes de máquina. Ou em equipamentos que são instalados em condições onde não é possível haver manutenção. Esses fatores nos levam a crer que em breve essa tecnologia estará disponível no mercado para saber mais sobre ela leia a matéria completa no site.

Para continuar aprendendo sobre o mundo da impressão 3D acesse o nosso site.

categoria(s):

Marcus Figueiredo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?