//Segurança cibernética na Manufatura Aditiva
Segurança

Segurança cibernética na Manufatura Aditiva

Charles R. Goulding e Preeti Sulibhavi examinam a relação entre segurança cibernética e manufatura aditiva.

Em maio de 2020, o Departamento de Energia dos Estados Unidos selecionou a Universidade do Texas em San Antonio (USTA) para receber um acordo cooperativo de cinco anos e US$ 70 milhões para estabelecer e liderar o Cybersecurity Manufacturing Innovation Institute (CyManII).

Universidade do Texas
Fonte: University of Texas at San Antonio USTA

O CyManII se concentrará na segurança cibernética voltada para alcançar a eficiência energética, levando à criação de empregos e inovação técnica, colocando assim os Estados Unidos na vanguarda da competitividade da manufatura. A USTA estará à frente deste projeto.

Segurança
O desenvolvimento do setor traz mais segurança para as empresas em seus processos.

Os fabricantes dos EUA são os principais alvos dos criminosos cibernéticos e adversários globais. Isso está afetando a produção e utilização de tecnologias energéticas, incluindo: veículos elétricos, painéis solares e de turbinas. A integração de tecnologia avançada na rede da cadeia de suprimentos, além de um maior uso de automação aplicada em processos de manufatura com eficiência energética, pode tornar as infraestruturas industriais altamente vulneráveis ​​a ataques cibernéticos. Para proteger os fabricantes e trabalhadores americanos, CyManII permitirá uma transformação digital que torna os fabricantes mais adaptáveis, resilientes e mais competitivos contra os adversários globais.

CyManII aproveita os recursos de pesquisa exclusivos dos Laboratórios Nacionais de Idaho, Oak Ridge e Sandia, bem como a expertise crítica em nosso ecossistema de fabricação cibernética de parceiros”, disse o presidente da UTSA, Taylor Eighmy, em 2020 . “Esperamos formalizar nossa parceria com o DOE para promover a segurança cibernética na fabricação com eficiência energética para o país.”

CyManII e impressão 3D

CyManII é um instituto de pesquisa nacional formada por universidades líderes em pesquisa em segurança cibernética, manufatura inteligente e com baixo consumo de energia e profunda experiência em pesquisa e desenvolvimento, cadeias de suprimentos, automação de fábrica e desenvolvimento de força de trabalho.

Liderado pela Universidade do Texas em San Antonio, CyManII é composto pelo principal Departamento de Laboratórios Nacionais de Energia nesta área, com o Laboratório Nacional Oak Ridge liderando a nação em manufatura avançada, o Laboratório Nacional de Idaho líder em segurança cibernética de sistemas de controle industrial e infraestrutura física, e o Laboratório Nacional Sandia, líder nacional em segurança cibernética de gerenciamento da cadeia de suprimentos. Financiado pelo DOE, CyManII reúne as instituições de pesquisa mais avançadas em manufatura inteligente e avançada, garantindo automação e cadeias de suprimentos, desenvolvimento de força de trabalho e segurança cibernética.

A UTSA foi a líder designada para CyManII devido à experiência intrínseca da Universidade em segurança cibernética, bem como à amplitude e profundidade de suas relações nacionais. Além disso, o Instituto é apoiado por um adicional de US$ 41 milhões em fundos de compartilhamento de custos de seus parceiros, incluindo o compromisso da UT System de US$ 10 milhões, elevando o investimento total de cinco anos para mais de US$ 111 milhões.

Durante uma recente discussão do painel da Additive Manufacturing Coalition sobre segurança cibernética e integridade da cadeia de suprimentos realizada em 3 de novembro de 2021, muitas questões relacionadas à nossa atual crise de interrupção da cadeia de suprimentos foram abordadas.

O painel de discussão foi composto por vários líderes da área de segurança cibernética que falaram sobre os desenvolvimentos recentes no setor. O Dr. Howard Grimes, do Cybersecurity Manufacturing Innovation Institute (CyManII), da Universidade do Texas em San Antonio, foi um dos palestrantes. Ele discutiu sua missão de melhorar a segurança cibernética, o treinamento e a resiliência. Especificamente, o Dr. Grimes cobriu o que ele e sua equipe estão fazendo para digitalizar a manufatura e melhorar os recursos de defesa cibernética nacional. Ele cobriu o e-PURE (abrangente, discreto, resiliente, econômico), que é como sua equipe planeja implementar a segurança cibernética enquanto melhora a eficiência energética e de emissões.

Jennifer Tisdale, diretora sênior do departamento de sistemas físicos cibernéticos da GRIMM, cobriu as principais ameaças cibernéticas e como ela e sua equipe estão trabalhando para impedi-las. Outros painelistas incluíram: Sr. Jonathan Faia, Diretor de Qualidade / Cibersegurança, Laboratory Testing Inc., e Dr. Vyas Sekar, CyLab Security and Privacy Institute, Carnegie Mellon University. 

O painel de discussão cobriu métodos de crimes cibernéticos, motivações para esses crimes e como a segurança cibernética é crítica para nossa defesa dos países.

Conclusão 

Existem inúmeras razões para priorizar a segurança cibernética. Agora, mais do que nunca, deve ter precedência e ser um foco em nossa discussão nacional coletiva sobre defesa. A indústria de manufatura aditiva/impressão 3D não é impermeável a essas ameaças e deve tomar medidas, com a ajuda dos líderes da indústria, para prevenir violações cibernéticas. Para saber mais sobre como prevenir essas violações leia a matéria completa no site.

Continue aprendendo sobre o mundo da manufatura digital, acesse o nosso site e fique por dentro das principais novidades.