Solaris está reciclando resíduos plásticos oceânicos em filamento de impressão 3D

A Comunidade Solaris, sediada na Suécia, tem a missão de renovar o sistema de desenvolvimento de produtos. Desde a reciclagem de diferentes fontes de resíduos e a produção de materiais reciclados premium até o desenvolvimento e fabricação de produtos sustentáveis ​​de diferentes categorias.

Por meio de seu Ocean Plastic Project, a Solaris comunicará e demonstrará o valor de luxo do plástico marítimo reciclado com a fabricação de impressão 3D, em conjunto com o Programa “Closing the Loop” das Nações Unidas, uma iniciativa de oceano limpo que visa prevenir o plástico marinho na Ásia e Pacífico e Solar – onde satélites e inteligência artificial ajudam a encontrar resíduos plásticos em nossas vias navegáveis. A Solaris então emprega tecnologias inovadoras para reduzir, reutilizar e reciclar resíduos plásticos para promover economias circulares.

​O processo começa com a coleta de plásticos oceânicos. Juntamente com empresas sociais, a Solaris coleta plástico oceânico no Sudeste Asiático, coordenado por sua subsidiária #tide em Ranong, Tailândia. Em cinco ilhas no Mar de Andaman, pescadores locais estão sendo treinados e pagos para coletar e separar resíduos plásticos.

solaris
Fonte:(https://www.3dprintingmedia.network)

O material é então registrado, lavado e triturado em um empreendimento social que está sendo implementado pela organização sem fins lucrativos suíça Jan and Oscar Foundation e pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

solaris
Fonte:(https://www.3dprintingmedia.network)

Depois disso, o material é testado e produzido em parceria com o Instituto de Tecnologia de Materiais e Processamento de Plásticos (IWK), braço da Universidade de Ciências Aplicadas (Hochschule für Technik) em Rapperswil, na Suíça.

solaris
Fonte:(https://www.3dprintingmedia.network)

O Instituto de Tecnologia de Materiais e Processamento de Plásticos (IWK) desenvolveu um método que regenera o plástico e reverte os danos causados ​​pelos raios UV e água salgada a que o lixo plástico foi exposto enquanto flutuava no oceano ou era levado para a praia.

solaris
Fonte:(https://www.3dprintingmedia.network)

Após uma série de processos de upcycling, o plástico oceânico ganha uma segunda vida e está pronto para se redimir. Atinge uma qualidade semelhante ao mesmo tipo de plástico virgem.

solaris
Fonte:(https://www.3dprintingmedia.network)

Para tornar o plástico oceânico reciclado utilizável para impressoras 3D FFF/FDM, os flocos são processados ​​com uma máquina de extrusão para produzir os filamentos.

O resultado, um filamento de material 100% reciclado, é possível através de um esforço colaborativo com o material de impressão 3D Creamelt. Usando este filamento, pode-se imprimir em 3D produtos e obras de arte duráveis ​​com grande resistência química e ao calor.

Os projetos de Solaris, seu modelo colaborativo e suas criações já alcançaram reconhecimento internacional no mundo do design – trabalhando com designers de renome mundial como Karim Rashid, Iris Van Herpen e Dima Loginoff, para citar apenas alguns.

Para demonstrar o valor de luxo do plástico oceânico reciclado, a Solaris colaborou com o Swarovski Designing Future Lab, o Tide Ocean plastic e o material de impressão 3D Creamelt para criar uma obra de arte vestível.

Entre outras criações notáveis ​​da Solaris estão as luminárias desenhadas por Dima Loginoff e impressas, com plástico reciclado em, parceria com a AON3D.

A iniciativa da comunidade Solaris é uma ótima forma de ajudar a diminuir a poluição oceânica que tem um alto impacto ambiental, especialmente para a vida marinha, além de ajudar a aumentar a produção de plásticos reciclados, que são menos poluentes e prejudiciais ao meio ambiente. Para saber mais sobre a iniciativa da Solaris de reciclagem de resíduos oceânicos dentro da indústria de impressão 3D, confira o artigo completo no site.

Para continuar por dentro das principais novidades do mundo da impressão 3D e da indústria da manufatura acesse o nosso site.

categoria(s):

Marcus Figueiredo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima
× Como posso te ajudar?