Poli-USP comemora 50 anos do 1° computador brasileiro

Em julho de 1972, estudantes e professores da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) concluíam um projeto tão inédito quanto ousado: a construção do primeiro computador idealizado, projetado e construído no Brasil, o “Patinho Feio”, como foi batizado.

O Patinho Feio foi feito do zero. Ele é composto por uma caixa de cerca de um metro de comprimento, com placas de circuitos feitas de plástico e papelão. Era capaz de imprimir comandos e registrar códigos com uma memória de 4kb, capacidade quase um milhão de vezes menor que a de um celular atual.

“Na época só era possível produzir um computador de pequeno porte. Mesmo assim, o Patinho era maior do que os computadores utilizados a bordo pela Nasa nas expedições da Apollo 11 à Lua”, destaca Lucas Moscato, desenvolvedor do projeto e docente aposentado da Poli-USP.

Não havia telas. Os códigos eram digitados em um teletipo e emitidos em fitas de papel perfuradas com marcações na linguagem binária (0 e 1). Registrado no papel após ser processado pelo computador, o código poderia ser lido diversas vezes pelo teletipo para imprimir o desenho ou o texto que o usuário desejasse.

usp
Fonte:(https://ipesi.com.br)

A inauguração da máquina, no dia 24 de julho de 1972, teve presenças de peso: o governador de São Paulo à época, Laudo Natel, o ex-reitor da USP, Miguel Reale, e o Bispo Dom Ernesto de Paula.

Liderado pelo professor Antônio Hélio Guerra Vieira, o Patinho serviu de base para a produção do G-10, o primeiro computador comercial do país, desenvolvido em parceria pela Poli-USP, Marinha do Brasil e PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro).

COMEMORAÇÃO  DA USP

 

Para comemorar o 50º aniversário do “Patinho Feio”, como foi batizado o computador, a Poli-USP e a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE) fizeram  uma homenagem a seus construtores em evento realizado ontem (22 de setembro).

Na oportunidade, professores da Poli e engenheiros que atuaram na construção do Patinho Feio contaram como o computador pioneiro serviu para incrementar o ensino, a pesquisa e o nascimento da indústria de informática no Brasil. Eles foram também homenageados pelo reitor da USP, professor Carlos Carlotti Júnior, e por diretores da Poli e da FDTE.

O evento na Poli foi o primeiro dentre outros que virão para comemorar os 50 anos do Patinho Feio. Por iniciativa da FDTE, haverá exposições públicas até julho de 2023. Entre 8 de outubro e 6 de novembro o computador estará na unidade do Sesc da Vila Mariana, na capital paulista. Em novembro, será levado para o Espaço USP Integração & Memória, localizado no prédio da Reitoria da Universidade. No primeiro semestre do ano que vem o Patinho poderá receber visitas programadas de estudantes do ensino fundamental e médio.

“Temos dois grandes objetivos ao mostrarmos o Patinho Feio publicamente”, informa o diretor de Operações da FDTE, José Roberto Castilho Piqueira. “Um, é mostrar principalmente a crianças e adolescentes que o computador não nasceu laptop, tablet ou no celular, mas sim que houve um avanço tecnológico enorme nos últimos sessenta, cinquenta anos.”

O segundo, explica, “é mostrar para a sociedade e para os poderes públicos que os investimentos feitos na universidade pública dão retorno para o país”. Piqueira ressalta que “o Patinho Feio foi feito com verbas orçamentárias da Escola Politécnica e ajudou a formar e desenvolver a indústria de computadores no Brasil, com a criação de centenas de empresas e milhares de empregos qualificados, além de gerar bilhões de dólares para nossa economia”. Para saber mais acesse o site.

Para continuar por dentro das principais notícias do mundo da indústria acesse o site.

categoria(s):

Marcus Figueiredo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top
× Como posso te ajudar?