//Comprimidos fabricados por impressão 3D
Comprimidos feitos por impressão 3D.

Comprimidos fabricados por impressão 3D

Pesquisadores da Universidade de Nottingham desenvolveram uma abordagem incomum para a medicina utilizando manufatura aditiva: comprimidos fabricados por impressão 3D!

Pilulas impressas em 3D - University of Nottingham
Fonte: Universidade de Nottingham.

Você deve estar se perguntando o que significa “medicamento impresso em 3D”, principalmente quando vê o resultado: uma pilha de comprimidos que não parecem diferentes de qualquer um que você possa encontrar em uma farmácia.

Mas eles são bem diferentes, e essa diferença é encontrada no interior!

As pílulas fabricadas por meio de processos convencionais têm um design bastante simplista: os produtos químicos são misturados em grandes sistemas industriais para formar um pó uniforme. Em seguida, esse pó é pressionado em forma de pílula. Ocasionalmente, um revestimento externo é aplicado, transformando em uma pílula monomaterial.

Comprimidos feitos por impressão 3D.
Os mais variados tipos de comprimidos podem ser produzidos utilizando essa tecnologia.

 

As pílulas impressas em 3D podem ser muito mais sofisticadas porque a estrutura interna da pílula pode ser totalmente controlada. Em vez de criar geometrias visíveis complexas, a impressão de pílulas envolve a criação de geometrias internas complexas.

Essas geometrias podem fornecer algumas funções muito interessantes. Por exemplo, uma camada pode ser projetada para se dissolver ao longo de um período fixo de tempo e, quando ela se for, outra droga poderá ser liberada no corpo. Isso permite a criação de uma liberação cronometrada de medicamento – dentro de uma pílula!

Pilulas impressas em 3D - University of Nottingham 2
Fonte: Universidade de Nottingham.

 

E isso pode ficar muito mais complexo

Imagine um regime de medicamento que requer doses do produto químico A a cada quatro horas durante um dia, seguido por uma dose do produto químico B?

Isso poderia ser facilmente construído em forma de pílula pela aplicação estratégica de camadas solúveis para envolver as camadas químicas A e B.

Até agora, a maioria dos sistemas de pílula impressa em 3D envolvia pós multimateriais que seriam dispostos em camadas conforme descrito. No entanto, o novo sistema desenvolvido na Universidade de Nottingham pode fornecer ainda mais flexibilidade no design.

 

Processos de impressão 3D para comprimidos

Seu sistema envolve não apenas pó, mas na verdade três processos diferentes de impressão 3D. Eles explicam:

“Para dar o salto tecnológico, a equipe teve que modificar as impressoras para imprimir vários materiais ao mesmo tempo e empregar três tipos diferentes de impressão 3D para aperfeiçoar a técnica: jato de tinta; estereolitografia, que usa um feixe de laser móvel controlado por computador, pré-programado com software CAM / CAD; e impressão por extrusão que usa bobinas de plástico ou filamento de metal que são forçadas através de um bico aquecido, camada por camada, para criar uma peça 3D. ”

Sim, eles estão usando processos de deposição FFF, SLA e jato de tinta. Isso fornece a capacidade de usar muitos mais tipos de medicamentos e processos em comprimidos impressos em 3D.

A Dra. Laura Ruiz Cantu, membro da equipe, explicou os recursos:

“Agora provamos que você pode imprimir comprimidos com muitos tipos de medicamentos e liberá-los rapidamente e ao longo do tempo. Podemos adaptar esses comprimidos para cada indivíduo e suas necessidades de saúde específicas. Podemos projetar doses precisas para indivíduos, introduzindo geometrias diferentes. Também podemos imprimir uma pílula sob medida que compreende camadas e mais camadas de seções, cada uma contendo um medicamento diferente, que é liberado sequencialmente conforme necessário.

Os comprimidos impressos em 3D podem ser fabricados onde e quando forem necessários, o que reduz os custos e os tempos de envio. Essa revolução na cadeia de abastecimento não só salvará vidas, ajudando as pessoas nos países em desenvolvimento a comprar medicamentos melhores e chegar aos pacientes em áreas remotas ou desafiadoras, como zonas de conflito, mas também reduzirá as emissões de transporte, tendo um impacto positivo nas mudanças climáticas”.

Embora essa tecnologia pareça extremamente poderosa, provavelmente levará muitos anos para que ela se espalhe para médicos individuais que eventualmente possam solicitar regimes de precisão para seus pacientes em forma de pílula. Há também a questão das aprovações regulatórias.

Apesar de todos esses entraves a tecnologia é bastante promissora, e apresenta uma nova possibilidade até então pouco explorada pela indústria farmacêutica. Para conhecer mais sobre o processo clique aqui e leia a matéria completa.

Continue o seu aprendizado sobre o mundo da manufatura digital: leia as notícias do nosso site e conheça as principais tendências do mercado!